MUDAMOS!!!!!

Visite também o meu novo blog, ainda mais divertido e interessante! Acesse o Estante Nerd!

**

Depois de um ano e meio tendo o Blogspot como casa chegou a hora do Reviews Quadrinhos crescer!!! O Reviews agora está se mudando pros domínios da Rede Gehspace. Agora a nova url do blog é http://gehspace.com/reviewsquadrinhos. Peço a leitores, amigos e perceiros que atualizem sua lista de favoritos.

Casa Nova

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

O REVIEWS QUADRINHOS MUDOU PRA MELHOR! AGORA ESTAMOS NO ENDEREÇO http://gehspace.com/reviewsquadrinhos/

NÃO FAÇA CERIMÔNIA, ENTRE, PEGUE SUA CADEIRA E DIVIRTA-SE! E NÃO SE ESQUEÇA DE NA SAÍDA DEIXAR UM COMENTÁRIO!

Minha seleção Brasileira dos Quadrinhos

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Em resposta ao desafio lançado pelo Daniel do Blog do Hiroshi, formei minha seleção dos quadrinhos nacionais. Me dei a liberdade de adicionar personagens de webcomics.

1 - OC - O Bárbaro de Magias e Barbaridades do Fábio Ciccone, fechando o gol

oc magias e barbaridades

2 - Radical Chic - Miguel Paiva. Com ela na zaga os atacantes serão desarmados mais facilmente

radical chic

3 - Capitão Koopalento - Eduardo Jardim. Com ele na zaga não vai ter moleza pra muleque nem vagabundo!

4 - Skrotinho 1 - Angeli - Vão sacanear geral do time adversário!

5 - Skrotinho 2 - Angeli (alguém sabe se eles tem nomes?)

os skrotinhos

6 - Hell - MDM - Representando os caras do Melhores do Mundo, o dêmonio Hell, sobrinho de tio Juvenal, faz a proteção da zaga dando várias voadoras nos Fanboys, cuecas-verdes e emuxos.

hell melhores do mundo

7 - Chico Bento - Maurício de Souza - Um cara matuto no meio de campo pra tabelar com o...

chico bento

8 - Menino Maluquinho - ...Menino Maluquinho, do Ziraldo. É muito futebol arte!

menino maluquinho

9 - Níquel Náusea - Fernando Gonsales. Atacante veloz, que ajuda tanto o ataque quanto a defesa.

níquel náusea

10 - Mônica - Maurício de Souza - Porque futebol força também ganha jogo! Quem mais poderia ser a camisa 10 senão ela?

mônica

11 - Na banheira, Urbano o Aposentado - Antônio Silvério

urbano o aposentado

Infelizmente deixei gente boa de fora, mas só podem entrar 11 pra jogar!

Confira a seleção de outros blogueiros:

Mateus do Dark Shield World

Daniel do Blog do Hiroshi

Blog do Quadrideko

PS: Isso tem ou não tem cara de CQQ?

Off-Topic rapidinho

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Pessoal, postei no meu outro blog, o Mesa de Saloon, o meu calvário com a TVA-Niterói. Convido a todos para darem uma lida.

Aproveitando o off-topic uma dúvida: Como se faz pras postagens do Twitter aparecerem no wordpress e no blogspot?

Cassius Medauar fora da Pixel

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Infelizmente o Cassius Medauar anunciou seu desligamento da Pixel. O cara era editor de lá desde 2006, quando a Pixel começou o ousado projeto de publicar Histórias em Quadrinhos adultas (o que não quer dizer que sejam quadrinhos de putaria ou hentais, seu pevertido!) da Vertigo e Wildstorm aqui no Brasil.

A Pixel vinha com a missão de recomeçar vários quadrinhos que começaram a ser publicados em outras editoras, como Fábulas, publicando material novo e inédito e também o material já publicado mas que tinha se esgotado.

Os fãs brasileros de HQ´s ficaram felizes de ter obras de qualidade e em Português, por um preço justo. Ouveram alguns sinais de que as coisas não iam bem com a Pixel, como os constantes atrasos com Pixel Fábulas e os boatos de que a Pixel seria comprada por outra editora. O Omelete afirma que em 2009 Pixel Magazine e Pixel Fábulas devem sumir das bancas.

Só nos resta agora torcer pra que tudo de certo pra Pixel e que ela continue nos trazendo com a qualidade e o preço de sempre as estórias de Constantine, Fábulas, Sandman, Preacher, Corto Maltese, Authority, Planetary, Y e muitos outras.

Infelizmente no Brasil ainda hoje se você quiser ter 100% de certeza que lerá séries da Vertigo e Wildstorm do início ao fim e com o mesmo formato, só mesmo tendo um cartão de crédito internacional e comprando numa Ebay da vida.

Confira o texto de despedida de Cassius Medauar no Blog da Pixel

Comunidade Pixel no Orkut, da qual o Cassius participava ativamente tirando dúvidas e conversando com os leitores.

Seleção Brasileira das Histórias em Quadrinhos

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

O meu colega Mateus do blog Dark Shield me passou essa imagem que ele achou no Universo HQ. Trata-se de uma Seleção Brasileira dos Quadrinhos Nacionais. Apesar do nome ser um pouco redundante, a idéia é legal.

Não sei o nome de todos os personagens e os autores. Vamos juntinhos Me dêem uma ajuda e respondam nos coments quem são os personagens e os autores que eu não conheço.

seleção brasileira
1 - Nunca vi antes em toda a minha vida

2 - Radical Chic do Miguel Paiva

3 - Nunca vi mais gordo

4 - Saci Pererê (?) do Ziraldo

5 - Mônica do Maurício de Souza

6 - Uma personagem do Angeli concerteza, mas eu não sei o nome. Acho que é a Luke ou a Tantra. Mas quem devia estar aí eram Os Skrotinhos :D

7 - Níquel Náusea do Fernando Gonsales. Não sabia o nome da personagem, mas por acaso o Mateus fez um post no Dark Shield comentando sobre o lançamento de um albúm do Níquel Náusea.

8 - Senninha, inspirado no piloto Ayrton Senna, desenhado pelo Maurício de Souza Rogério e Ridaut (valeu pela informação Daniel. Sinceramente acho que ele não deveria estar nessa seleção. Chico Bento, Cebolinha, Cascão, Magali e outros personagens do Maurício mereciam muito mais, até o Zé Lelé e o Penadinho.

9 - Menino Maluquinho do Ziraldo.

10 - Não tenho a menor idéia nem do nome do personagem e nem do autor, e olha que o cara ficou com a camisa 10! Quem é ele?!?

11 - Não sei o nome, mas provavelmente deve ser um personagem das tirinhas do Piratas do Tiête, que se não me engano é do Laerte.

Fábulas Pixel #3

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

fábulas pixel 3 capaFábulas Pixel #3


R$ 10,90

Astro City

Dentes da Serpente

Roteiro: Kurt Busiek
Desenhos:???

Ótima estória de Astro City, talvez até mesmo a melhor das três de Astro City já publicadas em Fábulas Pixel. Nela conhecemos um pouco mais o personagem Jack-In-The-Box.

Trata-se de uma narrativa com viajantes do tempo, onde poucas respostas são dadas ao leitor e todo um clima de mistério e segredos é construído para, ao que parece, começar a primeira saga de Astro City dentro da Fábulas Pixel. Tem bastante ação e bons diálogos.

Destaque para os ótimos extras e para a introdução preparada pela Pixel. Coisa fina, feita por quem realmente gosta de quadrinhos.

Nota: 8,5


Fábulas

A Marcha dos Soldados de Madeira - parte 4

Roteiro: Bill Willingham
Desenhos: Mark Buckingham, Steve Lelaloha e Daniel Vozzo

Quarta parte do arco "A Marcha dos Soldados de Madeira". O roteiro continua excelente como de costume, assim como a arte. O único defeito é que a estória foi um pouco curta, deixando um gostinho muito grande de quero mais. "Culpa" da Pixel que nos acostumou até aqui com duas estórias de Fábulas em cada número de Fábulas Pixel.

Nota: 9,0


Sandman Apresenta

Roteiro: Mike Carey
Desenhos:John Bolton

Como comentei no review de Pixel Fábulas 2, Sandman Apresenta é uma revista que tem uma arte sensacional, que me lembra a arte de Alex Ross porém um pouco menos realista. Porém entender a trama é algo realmente complicado pra quem não acompanhou o universo de Sandman.


Nota: Sem nota


Cobweb

Apresentando o milagre da bonec-o-visão sem o uso de óculos especiais

Roteiro: Alan Moore
Desenhos: Melinda Gebbie

Essa estória de Cobweb foi bem melhor do que a última que eu tive oportunidade de ler, que foi publicada na Pixel Magazine 3. O que não chega a ser uma grande vantagem já que a outra era bem ruim. Esta estória pelo menos é mais divertida, tem umas insinuações lésbicas entre a Cobweb e sua chofer e tem um climão de filme de terror/ficção científica antigo. Mas ainda sim a estória não faz muito meu estilo, e muito menos os desenhos, que possuem um estilo retrô. Mesmo assim vale a leitura, mas eu ficaria mais feliz se Histórias do Amanhã fosse publicado com mais regularidade no lugar de Cobweb.


Nota: 6,5

Os Skrotinhos - A Cura pelo Fel

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

os skrotinhos a cura pelo fel capa

Roteiro e desenhos: Angeli

Editora: Devir/Jacaranda

48 páginas

R$ 19,90

***

Assim como eu muitas pessoas que estão na casa dos 20 e tantos anos devem se lembrar das tirinhas dos Skrotinhos em gramáticas e livros de literatura no colégio. Os Skrotinhos são aqueles dois baixinhos narigudos com grandes óculos que estão sempre sacaneando alguém, mas quase sempre mostrando o ridículo de situações cotidianas, instituições, empresas, sociedade, bandas de heavy metal, garçons, mulheres de biquíni, etc, etc, etc...

Graças a parceria entre as editoras Devir e Jacaranda, pode vir novamente ao mundo Os Skrotinhos - A Cura pelo fel ( que é o quarto encadernado do Angeli republicado pela Devir) é uma republicação de 2001, que por sua vez é uma compilação de tirinhas feitas entre 1987 e 2001, que foram colorizadas especialmente pra essa edição especial.

Durante a leitura nem se percebe que as tirinhas foram feita entre 87 e 2001, tamanha a atualidade delas. Poderiam muito ter terem sido feitas ontem, ou mesmo estarem sendo publicadas nos jornais hoje. Como discutido numa ótima entrevista do Angeli, os Skrotinhos são atemporais. Na verdade todo nós somos um pouco Skrotinhos, vemos um monte de coisas que nos incomodam, mas não temos a coragem de falar a verdade. Já Os Skrotinhos não economizam palavras e ainda o fazem de modo genial, "eles têm essa força de destruir uma pessoa com três ou quatro frases e ter prazer com isso".

Pra finalizar esse review eu só posso dizer pra você que vale muito a pena gastar R$ 19,90 pra comprar este encadernado. Ele é o tipo de leitura que nunca fica datada e você pode lê-lo daqui a uns 5, 10, 20, 30 anos que ainda estará atual (será que isso é bom ou ruim :0 ?). A edição que a Devir publicou tem um ótimo acabamento, capa e páginas de qualidade. Compre logo o seu, porque você não vai querer os Skrotinhos enchendo o seu saco, ou vai?



Nota 9,5


skrotinhos

Max Payne

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Crítica Max Payne

max payne movie

O filme Max Payne é uma adaptação o jogo do mesmo nome, que fez um considerável sucesso no mundo dos games. Nunca joguei, mas cheguei a ver algumas fotos e a partir delas pensei que o filme de Max payne fosse uma mistura de O Justiceiro com Matrix. Ou seja, uma estória de vingança de um policial que teve sua família assassinada por bandidos, com bastante bullet-time e cenas de ação exageradas mais divertidas, e um roteiro minimamente razoável. Mas infelizmente não foi o que aconteceu.


Na verdade até que Max Payne lembra a estória de Frank Castle, o homem por trás da roupa do Justiceiro. Um policial que tem sua família assassinada, etc etc, e quer vingança a todo custo. Mas as coincidências param por aí. O enredo de Max Payne é uma mistura de drama, ação, investigação policial, tráfico de drogas, uma cruel empresa bélica e elementos sobrenaturais.


Não que eu não goste de enredos bem viajados e misturados, mas essa mistura definitivamente não deu certo. Foi muito pretensiosa. O enrendo vai colocando várias perguntas na sua cabeça, te deixando cheio de expectativa para um bom desfecho, onde se entende todas as pontas da trama, mas no final da aquela sensação de "ah, já acabou?". Criaram mais perguntas do que se podia responder e o filme ficou com explicações bem xulés para os próprios suspenses que cria. Afinal, o que diabos são as tais Valkiries, que levam as almas daqueles que morrem em combate para o céu? São alucinações criadas pela droga ou existem de verdade, já que matam pessoas e destroem paredes de prédios?


E que enrolação foi aquela que inventaram pra matar a esposa do personagem principal, Max Payne? Um motivo tão simplista (descobriu sem querer projetos secretos de gente graúda dentro da empresa que trabalhava) que chega a ser sem graça e confuso ao mesmo tempo, dado o tamanho clima de suspense que o filme cria, mesclando projetos secretos para criar super-soldados com elementos sobrenaturais. A impressão é que a direção do filme não sabia pra onde levar a estória e ficou essa bagunça.


As cenas de ação, que deveriam ser um ponto forte do filme, não são lá grande coisa. Coincidentemente ou não, a melhor cena de luta do filme é justamente na qual o protagonista mais apanha, acabando por parar no hospital. Fora essa, há uma outra cena legal, que é quando Max Payne se droga e sai que nem um louco pra cima de vários seguranças num estacionamento. De resto são cenas que não comprometem mas não fazem o filme brilhar. Minto, a cena em close em que Max Payne está quase que literalmente com o "demo" no corpo chega a ser constrangedora.

Max Payne não é um filme que vai te fazer querer ir embora do cinema, mas provavelmente vai te fazer pensar se não poderia ter gastado seu dinheiro de entrada com um outro filme melhor.



Nota 6,0

Turma da Mônica Jovem #3

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Turma da Mônica Jovem #3

Terceira parte do Arco "As 4 dimensões mágicas".

O segundo número de Turma da Mônica Jovem foi tão engraçado que eu esperava na terceira parte uma pequena queda de qualidade. Mas a terceira edição não só manteve a qualidade como ainda melhorou!

A melhora se refere a uma coisa que eu critiquei nos reviews anteriores: A maneira de falar dos personagens em certas ocasiões. Há um excesso de otimismo e empolgação em certos diálogos, provavelmente influência do "miguxês" dos nossos pré-adolescentes perdidos de hoje em dia...

Mas parece até os roteiristas leram minhas críticas e esses tipos de falas diminuíram bastante. Talvez seja muita exigência minha querer que esses diálogos sumam de uma revista com público alvo entre 10-14 anos, mas se pelo menos manterem nesse patamar já está ótimo.

Nessa edição, a exemplo da segunda, a várias referências a elementos nerds. Olhando atentamente você encontra referências a Star Wars (o povo do planeta Tomba são muito parecidos com os Tusken Raiders que também vivem em um deserto), a armadura do Cebolinha (ops, desculpe Cebola, foi mal!) lembra o Mega Man, os robôs gigantes lembram seriados live-action japoneses como Jaspion e Changeman, o mestre Caolho parece uma mistura de Mestre Kame (Dragon Ball) com Senhor Miyagi de Karatê Kid. Isso sem falar na clara referência ao Quarteto Fantástico no fim da edição. Ah, isso sem falar na piada engraçadíssima que fizeram com o Orkut, que de projeto de conclusão de curso de um nerd virou o site mais acessado por patricinhas e playboys brasileiros.

A terceira edição de Turma da Mônica jovem mostra que a equipe criativa da revista está ligada no que acontece nos universos "teen" e nerd e sabe misturar esses elementos pra criar uma estória muito boa. O futuro da Turma da Mônica está em ótimas mãos!

Nota 9,5

***

Quero agradecer a minha namorada linda e maravilhosa que me empresta as revistas da turma pra eu ler! :*

Meu deus, ela me empresta as revistas e eu as leio sem pagar nada por isso. Estaria ela fazendo pirataria?!?

***
Leia também

Turma da Mônica Jovem #1

Turma da Mônica Jovem #2

Mais uma foto do filme de Dragon Ball

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Quem acompanha as notícias sobre o filme que vai adaptar o mangá e anime Dragon Ball pro cinema já se acostumou a ver os absurdos que a produção do filme faz com o roteiro e com o visual dos personagens. Mas nem o mais apocalíptico e discrente fã do seriado poderia imaginar que conseguiriam produzir tamanha façanha que se vê logo abaixo.

oozaru dragon ball o filme

Essa porra coisa aí em cima não é um novo mutante do filme do Wolverine, tampouco é um filhote de pombo. Essa coisa aí é a versão Oozaru do Goku!

Mas o que é Oozaru?

Oozaru é a versão macaco gigante dos Saiadins.Então! Compare com a foto a baixo e diga aí nos comentários o que você achou da versão live action. Ta igualzinho né!

Assim de longe, até que lembra um macaco... um macaco espacial albino que ganhou poderes especiais de cabelo eternamente com gel ao ser picado por uma mosca tsé-tsé radioativa

oozaru dragon ball o filme
Ah, não se esqueçam de votar na enquete do Reviews Quadrinhos sobre o que você achou do visual do Goku. É logo ali o ----->

Fanboys

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Em vez de fazer uma paródia porca de filmes de super-heróis, vide "superhero movie" e outros do gênero, porque não fazer uma comédia com aqueles que realmente nos fazem rir: Os Fanboys! Ou em outras palavras, nós mesmos!

Mas o que é um fanboy?

Fanboy é um fã radical, e pelo menos aqui no Brasil o termo é quase sempre associado aos fãs de algum elemento da cultura "nerd" ou do entretenimento. Fãs radicais de personagens de quadrinhos, de Star Wars (que sinceramente, nem acho que mereça tanta puxação de saco), de videogames e de tudo mais que você puder imaginar. Eles defendem ardorosamente seu objeto de babação de ovo, com qualquer argumento, seja bom ou ruim, porque pra eles não importa: O que eles gostam é o melhor e ponto final. Graças as fanboys podemos explicar, por exemplo, a absurda vitória do Wolverine sobre o Lobo nos Cross-overs Marvel vs DC. Poooorrraaa, LOBO IS GOD!

Mas só os "nerds" são fanboys?

Claro que não pequeno gafanhoto! Sabe aquela garota retardada que você conhece, que acabou de tatuar o nome do namorado com o qual está junto a 3 meses, porque ela "tem certeza" de que ele é o homem da vida dela, mas que um mês depois eles terminaram e agora ela tá com aquela cara de bunda tendo que economizar cada centavo que ganha pra pagar uma cirurgia pra retirar a tatuagem? Então, ela também é uma fanboy, e da pior espécie!

Dimensão DC: Lanterna Verde #2

terça-feira, 4 de novembro de 2008


Dimensão DC: Lanterna Verde #2

Mix composto por:

Green Lantern # 22 e 23

Roteiro: Geoff Jhons
Desenhos: Ivan Reis

Green Lantern Corps # 15 e 16

Roteiro: Dave Gibbons
Desenhos: Patrick Gleason & Angel Unzueta

Vou ter que me repetir nesse review. Dimensão DC é o melhor mix da Panini atualmente, o fato de poder acompanhar A Guerra dos Anéis sem ter que comprar outros mixes pra ler uma estória é ótimo e o trabalho feito pelas equipes de Green Lantern, Green Lantern Corps e Sinestro Corps Special é excelente.

Falando em Sinestro Corps, ela não da as caras nesta edição. Provavelmente está seguindo a ordem americana, que é diferente daqui, já que lá não existem as revistas mix e a distribuição é melhor que aqui no Brasil.

Mas a qualidade não caiu, pelo contrário, subiu. A guerra dos Anéis explode de vez, fazendo com que os Guardiões de OA tomem medidas drásticas que podem mudar a tropa dos lanternas verdes para sempre. Há uma grande reviravolta e os locais de combate mudam, pegando a tropa de surpresa.

Um ponto que me chamou a atenção foi a quantidade de mutilações na revista. Não me lembro de ter lido recentemente uma revista de super-heróis tão sangrenta como essa, nem mesmo a mini "O Ataque das Amazonas". Ainda bem que os editores deixaram o pudor de lado: Afinal, numa guerra entre as duas tropas mais numerosas e poderosas da galáxia, não poderia ser diferente.

Nota 10

***

Leia também:

Dimensão DC: Lanterna Verde #1

O Ataque das Amazonas #1, #2 e #3

Liga da Justiça

***

Dedico esse post ao parceiro Hiroshi do Blog do Hiroshi, grande fã dos Lanternas Verdes

Reviews entrevista Daniel Pereira, que acaba da lançar a HQ "Muertos"

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

O Reviews Quadrinhos conversou por email com Daniel Pereira dos Santos, que acaba de lançar sua HQ, Muertos, originalmente uma webcomic, de forma impressa na livraria HQ Mix, no centro de São Paulo.

Além de publicar seus trabalhos no seu site, http://ds.art.br/, Daniel também participa do Quarto Mundo, um site onde vários quadrinistas se uném para publicar seus trabalhos.

REVIEWS: Como você começou o projeto de "Muertos"? Como foi a trajetória
até chegar ao lançamento da HQ impressa no dia 25?

DANIEL: Muertos é um conto de Zanthos Aybrom que tenho em poder desde 97. Passei
seis anos afastado dos quadrinhos e após ter feito 10 Centavos no ano
passado, decidi retormar este trabalho. Como forma de aumentar o alcance
do trabalho, optei por publicá-lo página a página, semanalmente, em meu
site - antes de imprimí-lo. Por sorte, a impressão foi na época da
comemoração do Quarto Mundo - coletivo de quadrinhistas que participo, e
da Livraria HQ Mix, que possibilitou o lançamento em São Paulo.

R: Como você avalia o mercado de HQ´s nacional, tanto em relação
aos roteiristas e desenhistas quanto as editoras?

D: Na existe mercado para produtores (escritores e desenhistas). Ninguém vive
de HQ no Brasil. E não é de hoje. Segundo sei, isso há mais de vinte anos.
Ok - existe uma exceção, mas ela já existe há mais de vinte anos. As
editoras são publicadoras de material estrangeiro - e não há nada de
errado nisso. Como qualquer empresa, se elas achassem que existe
viabilidade de retorno financeiro 'fácil', elas publicariam material
nacional. Acredito que não o fazem pois simplesmente não existem leitores
suficientes para que este tipo de investimento dê frutos num prazo que
elas possam suportar ou mesmo tenham interesse - ou simplesmente não
dispoem do investimento necessário para fazer este tipo de coisa
funcionar. De qualquer forma os riscos são altos e poucos têm a visão de
criar um mercado próprio. Acho que todos pensamos no agora, e não no
amanhã ou a preocupação de ter algo nosso - nossas histórias, com nossas
identidades.

R: Quais serão seus próximos passos nas HQ´s?

D: Estou fazendo Nada a Perder, em conjunto com A. Moraes -
http://ds.art.br/hqs/nada-a-perder-1/

O Ataque das Amazonas #3

terça-feira, 28 de outubro de 2008

o ataque das amazonas 3
Roteiro: Will Pfeifer
Arte: Pete Woods
Preço: R$ 5,50
N° de páginas: 48
Editora: Panini

Desfecho da sangrenta invasão das Amazonas aos Estados Unidos.

Crítica: Se a segunda edição melhorou em relação a primeira, esta terceira e última parte de O Ataque das Amazonas piorou e muito!

Pra começar, parece que o desenhista Pete Woods chutou o balde de vez. Seus desenhos estão sem nenhuma inspiração, feito "nas coxas". Chega a ser irritante ver o rosto dos personagens deformados, principalmente a da Mulher-Maravilha.

Para piorar estória não se resolve e o leitor fica perdido. No entanto a culpa não é só do roteirista Pete Woods, mas da DC que insiste em espalhar partes importantes da trama em outras revistas, como em Mulher-Maravilha, Supergirl e Novos Titãs.

Há várias partes em que não da pra entender o que aconteceu: Enquanto Hipólita e Diana estão lutando uma avião caí em cima de Diana sem mais nem menos, durante a conversa de Circe com Hipólita e Diana o símbolo do morcego no peito de Batman explode sem mais nem menos, diálogos confusos...

O Ataque das Amazonas era uma série irregular, mas o seu desfecho conseguiu ser abaixo da média, infelizmente, já que a estória era boa e poderia ter rendido uma boa HQ.

Nota 5,0

***

Leia também:

Leitor da DC faz protesto contra Amazons Attack

O Ataque das Amazonas #2

O Ataque das Amazonas #1

Dimensão DC: Lanterna Verde #1

terça-feira, 21 de outubro de 2008

dimensão dc lanterna verde capa 1
Dimensão DC: Lanterna Verde #1

Mix composto por:

Sinestro Corps Special #1

Green Lantern # 21

Green Lantern Corps # 14

Dimensão DC já nasce como o melhor mix da Panini atualmente. As três estórias que compoem o mix podem ser consideradas, no mínimo, boas.

O maior problema dos mixes é você ter que comprar a revista, a pagar o preço integral, para ler uma ou duas estórias. Foi isso que me fez ficar sem comprar por um bom tempo o mix da Liga da Justiça e me fez para de acompanhar as estórias do Flash, por não querer pagar R$ 6,90 para comprar Universo DC (que acabou sendo cancelada, dando lugar a Dimensão DC) pra ler apenas uma estória e é isso que me impede de acompanhar Arqueiro Verde, que é publicada em Superman&Batman.

Por isso um mix de tamanha qualidade deve ser comemorado, com toda pompa e circunstância. Ainda mais quando os leitores poderão acompanhar a excelente Guerra do Anel, a melhor produção da DC recente junto com a recém terminada 52, em apenas um único mix! Sim, nós não precisaremos comprar 3 revistas para entender tudo que se passa em uma minissérie. Estará tudo lá no mix de Dimensão DC! Diferente do que acontece agora com O Ataque das Amazonas, que você tem que comprar a revista da LJA pra ler a estória da Mulher-Maravilha, depois comprar o mix dos Jovens Titãs pra ler mais uma estória e por aí vai...

Falando das estórias em si, com Sinestro motando sua tropa amarela e tocando o terror em todos os setores do Universo, as três estórias do mix acompanham os combates entre os lanternas verdes e amarelos. As três narrativas se completam e a arte mantém uma qualidade muita boa em todas. Geoff Johns é o responsável pelos roteiros de Sinestro Corps e Green Lantern e Dave Gibbons pelo de Green Lantern Corps.

Nota 10

***

PS: Eu sei que os Lanternas Verdes não podem matar, mas vejam a página 37 e me digam se o John Stewart não matou aquele Lanterna Amarelo. Pelo menos é o que parece.

Comentem!!!!

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

No mês de Outubro o Reviews Quadrinhos chegou a ter mais de 5 mil visitas! E eu agradeço aos meu leitores, muito obrigado!

Mas há um porém: Mesmo com tantas visitas quase ninguém comenta!

Quero aproveitar esse post e avisar que estou participando (???) do campanha do blog News Errado para cada um adotar o post. Pelo que entendi a participação se restringe a usar um banner da campanha, mas vá lá, ta valendo, e o texto que o editor do NE escreveu é bem interessante, vale a pena ler.

Então é isso, resumindo o post: Comentem!

Pode ser qualquer coisa: Elogio, reclamação, palavrão, comentário de fanboy. Só não vale dançar homem com homem (mulher com mulher tá valendo!)
;)

Quem também está na batalha por leitores mais participativos é o Mateus do blog Dark Shield. Leiam o Post dele sobre comentários dos leitores.

Alex Ross desenha a capa de Mortal Kombat VS DC Universe

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

mortal kombat vs dc universe game cover alex ross
Vejam aí o Speed Painting do cara. Incrível como um papel em branco vira uma obra de arte nas mãos dele!

http://www.comicbookresources.com/?page=article&id=18391

Mortal Kombat VS DC Universe será lançado nas Zooropa dia 21 de novembro.

Promoção Panini AvP2: Fiquei em terceiro lugar!

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Depois que o filme Alien vs Predador 2 foi lançado no cinema (ou teria sido um pouco antes? Tanto faz) a Panini fez uma promoção pra divulgar o filme. Quem respondesse a pergunta "qual herói da Panini poderia derrotar os Aliens e o Predador e por que?" estaria concorrendo a um dvd do filme e um pôster, a não ser o primeiro lugar, que ganharia um prêmio fodão: Um porta DVD no formato do capacete do Predador, com todos os filmes dele. Foda bagaraio!


Umas duas semanas atrás meu irmão me avisou que tinha chegado na minha casa o DVD e o pôster, sendo que eu já nem lembrava mais dessa promoção. Mas infelizmente eu fiquei em terceiro lugar e ganhei apenas o filme e o pôster. Aí você pode falar "mas esse filme é uma merda!". E é mesmo, eu vi o primeiro e achei uma titica e nem tive coragem de assistir o segundo. Mas eu ganhei di grátis, no 0800, e você que nunca ganhou nada??? Rá!!!

Uma pena a Panini não ter divulgado as respostas. Eu nem lembro a minha, mas acho que teve alguma coisa a ver com o Batman, já que saiu HQ´s dele lutando contra os Aliens e os Predadores, me aproveitei disso e usei na resposta.

Bom, pra não dizer que eu tô mentido, ta aqui o site com os resultados http://www.hotsitepanini.com.br/avp2/

E fiquem aí também com a foto (tosca) que eu tirei do pôster no meu quarto. Se bem que eu achei o poster tão ruim que eu resolvi tirar da parede logo após a foto... mas serve de lembrança!



alien vs predador 2

Turma da Mônica Jovem #2

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

turma da mônica jovem 2 capa
Turma da Mônica Jovem #2

Continuação do primeiro arco da nova revista da turma da rua do Limoreiro.

Pra conseguir deter a vilã Yuka, que aprisionou Franjinha e seus pais, a Turma da Mônica tem que procurar o Cubo Fantástico num lugar que lembra a Terra Medieval, mas com "elementos fantásticos".

Ora, a Turma da Mônica entrou em um cenário de clássico de RPG nessa segunda edição. Todos os bons clichês do jogo estão lá: O grupo com paladino, mago, ladino, arqueiro elfo, a estalagem (bar) onde todos os grupos de RPG vão procurar pistas sobre sua missão, os anões, Orcs, Dragões, feitiços...

Ótimas piadas foram feitas em cima das situações comuns do RPG, e foram feitas de um modo que mesmo quem nunca jogou possa entender, mas se o leitor já jogou RPG com certeza vai achar muito mais graça nas piadas! Da página 26 até a página 58 é uma piada ótima atrás da outra, até mesmo quem não acompanha a revista da Turma da Mônica e não sabe o que se passa na estória, vai achar engraçado, porque elas são muito bem feitas.

O que tira um pouco mérito da revista é o, digamos, "positivismo" excessivo em alguns momentos. Chega a ser irritante a quantidade de vezes em que os personagens fazem o "V" de vitória com as mãos, típico elemento dos mangás japoneses. As gêmeas donas do bar "Unicórnio Gêmeo Saltitante" também chegam a constranger o leitor com os desnecessários "Yeah´s" que pronunciam.

A estória dessa segunda edição foi tão engraçada que não consigo ver como o próximo número possa ser tão bom quanto este. Mas vamos ver o que Maurício de Souza preparou pra gente. Até agora os pontos negativos de Turma da Mônica Jovem superaram fácil os pontos negativos.

Nota 9,5

***

Turma da Mônica Jovem #1

Tropa de Elite 2 confirmado

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

tropa de eliteSó que dessa vez o Capitão Nascimento vai dar uns sopapos no políticos em Tropa de Elite 2!

O filme "Tropa de Elite", vencedor do Urso de Ouro no Festival de Berlim deste ano e que estreou no último dia 19 em Nova York, ganhará segunda versão para o cinema. O ator Wagner Moura aceitou interpretar outra vez o capitão Nascimento. A informação é da coluna Mônica Bergamo desta quarta-feira.
"Já está tudo certo", diz o produtor Marcos Prado, sócio do diretor José Padilha, que dirigiu a primeira versão do longa. No novo, o policial terá 40 anos e se envolverá em política. "Ele vai trabalhar na Secretaria de Segurança do Rio", diz Prado.

O roteiro será de Rodrigo Pimentel, o ex-capitão do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) e um dos autores do livro "Elite Da Tropa", que deu origem ao longa.

Em junho, quando a coluna Mônica Bergamo revelou que Rodrigo Pimentel e José Padilha já trabalhavam no roteiro de "Tropa de Elite 2", a empresa de Padilha lançou nota irada desmentindo a informação.

Fonte: Folha Online

O Ataque das Amazonas #2

terça-feira, 30 de setembro de 2008

ataque das amazonas 2
Título: O Ataque das Amazonas

Autores: Will Pfeifer, ilustrações de Pete Woods

Preço: R$ 5,50

N° de páginas: 52

Formato: Minissérie mensal, Formato americano (17 x 26), Papel Pisa Brite, Capa couché.

Editora: Panini

As amazonas seguem massacrando os Estados Unidos, liderados por uma vingativa rainha Hipólita. Porém a Liga da Justiça descobre que as Amazonas não estão sozinhas por trás do maior ataque que os Estados Unidos já sofreram em seu território. A capa da HQ pode trazer más recordações aos americanos: Um avião é derrubado por estrangeiros em solo nacional. Guardadas as devidas proporções, pode-se fazer uma comparação com os atentados terroristas do 11 de setembro.

A segunda edição de 'O Ataque das Amazonas' tem uma melhora considerável em relação ao primeiro número. O ritmo da narrativa fica mais empolgante, alternando momentos detetivescos com boa ação.

Infelizmente a empolgação diminui na passagem do capítulo três pro quatro. Quando começa o quarto capítulo já vemos a Mulher-Maravilha cara a cara com sua mãe Hipólita, sem sabermos o que aconteceu até Diana chegar lá e o início do discussão entre as duas. Culpe os tie-ins ou como é chamado aqui no Brasil, as ligações entre uma série com revistas mensais dos personagens.

Se você quiser saber o que aconteceu, terá que comprar a revista da Mulher-Maravilha, o que é decepcionante pra quem quer acompanhar somente a mini sem ter que comprar outras revistas. Um ponto "interessante" é a volta da feiticeira Circe na última página, reforçando a idéia de que quem é morto nos quadrinhos sempre aparece ressucitado, cedo ou tarde. Essa volta de Circe leva a crer que no desfecho da estória a explicação do ataque das Amazonas será explicado por algum tipo de controle mental exercido por Circe em Hipólita. Muito original...

A arte de Pete Woods é um ponto que se não chega a comprometer, também não é um destaque. Uma minissérie como essa merecia um desenhista melhor. Além de estar abaixo de outro colegas da DC, como Ed Benes e Gene Ha, que passaram recentemente pela revista da Liga da Justiça, Woods peca no uso das cores pra criar uma atmosfera pesada na HQ. Constantemente vemos o céu de Washington na cor laranja, o que num determinado ponto da leitura fica chato demais. Felizmente isso diminuiu da primeira pra segunda edição.

Nota 8,0

***

Review O Ataque das Amazonas #1


Gabriel Bá ganha mais uma!

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

umbrella academy
Após ganhar dois prêmios Jabuti juntamente com seu irmão, Rafael Grampá, Gabriel Bá segue colecionando prêmios por seu trabalho. No último fim de semana, em Baltimore nos Estados Unidos, Bá ganhou o prêmio Harvey Awards, na categoria de melhor nova série, pela HQ "Umbrella Academy", juntamente com o roteirista Gerard Way, vocalista da banda My Chemical Romance.

Bá concorria também na categoria de melhor desenhista, mas perdeu para o também excelente Frank Quitely, pelo seu trabalho em "Grandes Astros Superman". O Harvey Awards é o segundo prêmio mais importante da indústria dos quadrinhos, ficando atrás apenas do Eisner Awards, prêmio em que Bá ganhou vários títulos também. Além de ter ganho com Umbrella Academy como melhor minissérie, ganhou ao lado do seu irmão Fábio Moon e do brasilero Rafael Grampá a categoria de melhor antologia, pela obra independente "5". Seu irmão ganhou o prêmio de melhor história digital por "sugashock!".

Fonte: Blog dos Quadrinhos

Adaptação em Quadrinhos do Livro "O Alienista" vence prêmio Jabuti

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

o alienista
Lembram quando há um tempão atrás (no ano passado na verdade), lá no início do blog, eu fiz um post sobre a adaptação do livro de Machado de Assis, O Alienista, para os quadrinhos, feito pelos supergêmeos irmãos Gabriel Bá e Fábio Moon?

Pois bem, eles concorreram em nove categorias do prêmio Jabuti, o mais importante prêmio litarário brasileiro. A adaptação de O Alienista venceu nas categorias de melhor albúm didático (!!) e paradidático (que que é isso?).

Com esse trabalho, os irmãos brasileiros que estão bombando nos Estados Unidos, ajudam a divulgar o trabalho do maior escritor brasileiro de todos os tempos, Machado de Assis, e ajudam a despertar a paixão pela leitura de HQ´s, mostrando que nem só de Turma da Mônica, Disney e Super-Heróis vivem os quadrinhos. Quadrinhos são uma ótima fonte de leitura, tanto para adultos quanto para as crianças, e muita coisa boa já foi publicada nas HQ´s.

Parabéns aos irmãos Gabriel e Fábio. A literatura, os quadrinhos, o público e Machado de Assis agradecem!

Fonte: Melhores do Mundo

Os Mortos-Vivos - Volume um - Dias Passados

segunda-feira, 15 de setembro de 2008


Autores: Robert Kirkman (roteiro) e Tony Moore (arte).

Preço: R$ 27,90

Número de páginas: 140

Data de lançamento: Maio de 2006

Editora: HQM

Só li recentemente esse encadernado lançado em 2006, graças a minha linda namorada que me presenteou com esta bela HQ! Thank you!

Sou suspeito pra falar de 'Os mortos-vivos' pois sou fã de estórias com zumbis. Pra quem também é fã do gênero, não tem nem que pensar duas vezes: Se topar com esse encadernado por aí, pode gastar seus vinte e sete reais e noventa centavos sem medo de ser feliz. Pra quem não é fã, saiba que "Os Mortos Vivos" tem mais a oferecer do que apenas miolos e sangue. É um ótimo drama, além de uma boa ação também.

O trabalho da editora HQM foi muito bem feito. A edição está luxuosa, com uma capa muito bonita e papel de ótima qualidade, tanto na capa quanto internamente. A capa foi feita de forma muito cuidadosa, coisa rara de ser ver. Cheguei a estranhar tamanha qualidade por apenas R$27,90.

Kirkman, como ele mesmo se descreve na (ótima) introdução, é um fã do gênero, e como fã ele queria escrever algo novo e de qualidade no universo das estórias de zumbis. O enrendo mostra o policial Rick Grimes acordando num hospital após ficar um mês em coma. Não demora muito pra ele perceber que está sozinho não só no hospital, mas na cidade. A partir daí ele saí em busca de sua mulher e filhos, sem parar pra pensar no que está acontecendo.

Kirkman equilibra bem a ação e o sangue com o drama. Depois do mundo inteiro ser dominado pelos mortos, agora as pessoas tem que voltar a viver de forma quase primitiva. Não há mais governo, indústrias, mercados, sociedade, leis. Ninguém produz nada, ninguém fiscaliza. O que há é a necessidade de sobrevivência. Os humanos que sobreviveram teram que se re-organizar, quase como se fossem tribos. Há uma divisão do trabalho nem tão nova assim. Os homens saem pra caçar, as mulheres cuidam dos afazeres "domésticos" e cuidam das crianças, mas uma coisa todos tem que fazer igual: Aprender a matar e a confiar para não morrerem.

A arte está matadora. Tony Moore não usa um traço muito realista, mas os desenhos são muito bem feitos e cheios de detalhes. Vale destacar que Moore coloriu seu trabalho apenas de preto, branco e cinza, dando um clima de filme de terror antigo. Perfeito!

Nota 10

Fábulas Pixel #2

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Depois de alguns meses de atraso finalmente chegou às bancas o segundo número de Fábulas Pixel. O mix de Fábulas Pixel é composto por Sandman Apresenta, Astrocity e Fábulas. Ocasionalmente uma outra estória curta entra no mix, como foi o caso de Histórias do Amanhã, que teve a estória de Jack B. Quick contada na primeira edição de Fábulas Pixel.

Fábulas, como é de se esperar é o carro chefe da revista. Quem já leu Fábulas sabe que fazer um review sobre ela é difícil, pois as edições são sempre ótimas, e ficar aqui elogiando o excelente trabalho do escrito Bill Willingham é chover no molhado. Tanto o roteiro quanto a arte de Fábulas continuam Fabulosas (haha, vocês sabiam que eu ia fazer isso né?) nessa segundo edição.

João das Lorotas é atacado pelos três estranhos irmãos ,as consegue fugir e procura Bigby e Branca de Neve , porém ninguém acredita nele. Bigby viaja a procura de alguma pista sobre a recém-chegada Chapéuzinho e o Garoto Azul está prestes a descobrir algo sobre ela.

Em Astrocity o vilão lixeiro consegue realizar o crime perfeito. Sem deixar nenhum pista, rouba uma fortuna de um banco e voa para aproveitar sua fortuna no Rio de Janeiro. Porém o dinheiro e a luxúria não o satisfazem mais, ao ver que mesmo tendo executado o crime perfeito, as pessoas continuam idolatrando os super-heróis e ele não recebe nenhum crédito. Disposto a mudar isso, o Lixeiro volta a cometer crimes com o único intuito de humilhar os supers. O autor Kurt Busiek brinca com os clichês de super-heróis, criando numa narrativa tão atrativa que faz você querer que o vilão vença no final!

Em Sandman Apresenta temos o ponto mais complicado do mix. Mesmo com o bom resumo feito pela Pixel que vem antes da estória, é difícil entender a trama de Sandman Apresenta porque a estória é toda ligada com as HQ´s do Sandman. Pra quem acompanha Sandman, não há problema, mas pra quem nunca leu fica a sensação de estar boiando na estória, apesar dela não ser ruim. Mas só a arte sensacional de revista já valeria a leitura. Cada ilustração é como se fosse uma obra de arte, tamanho o realismo do traço e a beleza das cores usadas. Uma pena que a Pixel não divulgou o nome do desenhista.

Pixel Fábulas já se estabeleceu como um dos melhores mix do mercado nacional, ao lado da sua irmã, a Pixel Magazine. Agora é torcer pra que ele engrene de vez e não haja mais atrasos tão grandes em sua distribuição.

Nota 9,0

Turma da Mônica Jovem #1

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

turma da mônica jovem

A Turma da Mônica em crise de identidade?

Em agosto foi lançado o primeiro número da Turma da Mônica Jovem, a revista que vai mostrar Magali, Cascão, Cebolinha, Chico Bento, Mônica e cia adolescentes. E isso não é tudo. Aproveitando o sucesso que os mangás estão fazendo no Brasil, Maurício de Souza resolveu lançar a revista com elementos dos quadrinhos orientais, atraindo mais a atenção dos novos leitores de HQ´s no Brasil, principalmente os mais jovens, que vem consumindo mais mangás do que as HQ´s ocidentais.

Quando fiquei sabendo disso achei que a idéia do Maurício de Souza seria fazer algo tipo uma "Malhação" da vida, abordando temas como gravidez, vestibular, carro, bebedeira, sexo, e etc, como todos os clichês possíveis relacionados aos adolescentes. Mas eu estava errado, ainda bem.

Na verdade a revista não mudou tanto, o que me faz pensar se realmente os leitores mais velhos irão se interessar pela revista. Na verdade todo aquele universo da Turma da Mônica está ali. As aventuras continuam fantasiosas e com uma temática infantil. O que mudou mesmo foi a adição de elementos dos mangás, que aliás foram muito bem usados. Fora isso os personagens cresceram, as roupas encolheram, alguns nomes mudaram, o Cebolinha atende agora por "Cebola" e só troca o "R" pelo "L" quando está nervoso ou perto de uma garota, o Cascão toma banho por causa das garotas (sábia decisão Cascão, sábia decisão), entre outras pequenas coisas, mas a essência dos quadrinhos da turma da Mônica continua ali.

Pra finalizar, destaco positivamente nessa primeira edição as piadas feitas pelos próprios personagens a respeito da "demora" que foi pra eles crescerem. A Mônica (ou a Magali, não me lembro agora) disse que "pensou que eles nunca iriam crescer". O ponto negativo fica por conta do novo nome do Anjinho. Agora ele se chama CÉUBOY! Que idéia de girico! Por que não apenas tirar o nome dele do diminutivo, como fizeram com o Cebolinha e o Franjinha, que agora se chama Franja. Não, acharam que seria legal chamarem ele de Céuboy já que existe o herói Hellboy nos quadrinhos americanos...

No fim das contas essa nova iniciativa do Maurício de Souza frente a Turma da Mônica tem muitas chances de dar certo, apesar do estranhamento que se tem ao ver os personagens queridos de muita gente na infância crescendo e falando gírias "da hora". Mas tudo bem, todo mundo tem que passar por essa fase teenager, "né não véio?".

O Restaurante no Fim do Universo

terça-feira, 2 de setembro de 2008


Recentemente acabei de ler O Restaurante no Fim do Universo. Esse livro é a continuação do Guia do Mochileiro das Galáxias, que se popularizou depois do lançamento do filme de mesmo nome, em 2005.

Escrito pelo Britânico Douglas Adams, O Restaurante no fim do Universo, assim como O Guia, é de uma criatividade ímpar. Adams conseguiu criar planetas, robôs e alienígenas para fazer uma crítica muito bem humorada da política, da religião e acima de tudo, das pessoas.

Na sua narrativa Adams consegue fazer filosofia com as coisas mais banais e inesperadas possíveis. Por exemplo, como uma peça de Scrabble jogada numa moita pode afetar profundamente sua vida? Acredite, ela pode! Douglas Adams consegue manter sua narrativa muito divertida o tempo todo, mas sem nunca abandonar uma postura atéica e niilista. Poucos autores conseguiriam conciliar essa postura com o bom humor inteligente, que é marca característica de seus livros. Por isso que eu e muitos fãs pelo mundo todo o consideram um verdadeiro gênio da literatura! Particularmente, ele é o escritor mais criativo que eu já li!

Além do Guia e do Restaurante no fim do Universo, compoem a "trilogia" os livros A vida, o universo e tudo o mais, Até logo e obrigado pelos peixes e Praticamente Inofensiva.

Adams trabalhou como "produtor honorário" do filme do Guia do Mochileiro, mas infelizmente ele morreu em 2001, ainda jovem, aos 49 anos, deixando nós fãs imaginando o que ele ainda poderia fazer após ter concluído a trilogia do Guia do Mochileiro das Galáxias.

Nota 10!

O Ataque das Amazonas

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

o ataque das amazonas
Título: O Ataque das Amazonas

Autores: Will Pfeifer, ilustrações de Pete Woods

Preço: R$ 5,50

N° de páginas: 52

Formato: Minissérie mensal, Formato americano (17 x 26), Papel Pisa Brite, Capa couché.

Editora: Panini

Essa minissérie me causou surpresa quando a vi na banca. O enredo da série basicamente trata da vingança das Amazonas contra o patriarcado, ou seja, contra o nosso mundo, após a destruição da ilha de Themyscira durante a minissérie Crise Infinita.

As Amazonas voltam para se vingar e atacam os Estados Unidos, sem nenhum aviso prévio. O que impressiona aqui é a violência mostrada na HQ. Nas HQ´s de super-heróis a violência é grealmente moderada, mas nessa revista é diferente. Há uma cena em que as Amazonas matam o pai que está protegendo seu filho assustado durante o ataque, o matam bem na frente do menino, cortando-lhe a garganta. Logo após o pai é a vez da criança. Elas não poupam nem mesmo as mulheres. Começo chocante para uns e empolgante para outros.

Mas no decorrer da estória o meio campo ficam embolado. A participação da Liga da Justiça é estranha. Eles não interferem diretamente no conflito e ficam apenas salvando as pessoas. Agora, como pode no meio de um guerra, com a população de várias cidades sendo morta pela amazonas, com centenas ou milhares delas espalhadas pelas ruas, além de gigantes do tamanho de prédio e bestas voadoras, a Liga da Justiça não entra na luta?

Outro problema que aparece na HQ é a quantidade de leitura extra que se tem que fazer para entender totalmente o que está acontecendo. É necessário ler Crise Infinita, 52, Mundos em Guerra ( crossover onde a rainha Hypólita morre), além da revista mensal da Mulher Maravilha. Já é normal que isso aconteça hoje em dia, vide Hulk contra o Mundo. Porém na minissérie do Verdão essas leituras não fazem tanta falta e é possível fazer a leitura numa boa. Já no Ataque das Amazonas não.

A arte de Pete Woods é outro ponto negativo. Enquanto ele desenha as Amazonas, gigantes e outros monstros destruindo Washington a coisa toda anda razoavelmente bem. Mas quando ele tem que desenhar Super Homem, Batman e cia percebe-se como seu traço é fraco, ainda mais comparando com o Ed Benes, que desenhou os últimos número da revista mensal da LJA. Sem dúvida que se a arte da revista fosse melhor os leitores seriam mais simpáticos em relação a trama.

Apesar dos pontos fracos da minissérie, ela é interessante e vale a pena acompanha-lá para saber como o enredo vai se desenvolver, ainda mais com a chegada da Mulher Maravilha no final dessa primeira edição.

Nota 7,5

Hulk contra o mundo 4

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Título: Hulk contra o mundo 04 (World War Hulk 03)

Autores: Grek Pak e John Romita Jr.

Preço: R$ 5,90

N° de páginas: 52

Formato: Minissérie mensal em seis edições, formato americano, 52 páginas, papel LWC, distribuição nacional.

Editora: Panini

Sinopse:Hulk já derrotou Raio Negro, Homem de Ferro, duas equipes dos Vingadores e o Quarteto Fantástico. Agora, o Hulk terá de enfrentar o exército dos Estados Unidos, que vem ao ataque sob as ordens do general Ross, e também o mago supremo, Doutor Estranho.

Review: A ação continua constante na quarta edição. Hulk continua sendo desafiado por tudo e todos, mas está disposto a não dar ouvidos a ninguém e quer vingança a qualquer preço.

Porém ainda não está claro que caminhos essa mini irá seguir. Parece pouco provável que a Marvel queira tornar Hulk um assassino e por isso mesmo fica interessante acompanhar a estória, para ver aonde vai dar tudo isso.

Parece que o que vai ocorrer vai ser uma espécie de torneio entre os heróis Marvel, organizado pelo Hulk, para fazê-los passar por tudo o que ele passou nas arenas do planeta Saakar. Talvez, e apenas talvez, os vencedores sejam poupados da ira do Golias Esmeralda. Isso é claro se, depois que tiverem vencido os novos amigos dele, eles não tiverem que lutar contra o próprio Hulk. Ou quem sabe os heróis lutaram entre si? Não seria muito interessante essa opção, uma vez a Guerra Civil foi quase toda baseada nisso e ela acabou não faz muito tempo.

Nota 9,0

***

Leia o Review de Hulk Contra o Mundo 3 ou acesse o arquivo de reviews com todos os reviews do blog.

Liga da Justiça 68

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

liga da justiça 68
JLA #10

A saga do Relâmpago

Capítulo 4 (Conclusão)

Roteiro: Brad Meltzer
Desenhos: Ed Benes
Cores: Alex Sinclair

Chegamos a conclusão de "A Saga do Relâmpago". O fechamento desse arco ficou abaixo das expectativas. Depois de fazer tanto mistério e colocar dúvidas na cabeça do leitor, eis que no final elas persistem.

A missão da Legião dos Super Heróis não ficou bem clara. Provavelmente só a entenderemos (se é que entenderemos) em uma das centenas de páginas da mais nova crise da DC, a Crise Final (Final? Tá, me engana que eu gosto).

A única coisa que temos resposta é em relação a quem a Legião queria ressucitar. E é uma grata surpresa, diga-se de passagem. Pelo menos pra quem acompanha só a revista da Liga, mas talvez não pra quem acompanha a revista solo do herói (que eu não vou dizer quem é pra não estragar a surpresa de quem não leu ainda).

Infelizmente Meltzer, que vem fazendo um ótimo trabalho com a revista da liga, se perdeu um pouco nesse final. A narrativa ficou confusa, justamento um dos pontos fortes do seu trabalho como roteirista de HQ´s. Talvez seja sinal de que nem mesmo alguém tão talentoso quanto Meltzer consiga da conta de estórias que tem a obrigação editorial de ter ligações com mais uma mega-ultra-saga da DC que promete "revolucionar todo o universo, e nada mais será como era antes".

Tá bom, conta outra.

Nota 7,5

***

jla classified 43JLA Classified #43, 44 e 45

Fantasmas de Marte, partes 2,3 e 4

Roteiro: Justin Gray
Arte: Rick Leonard & Sean Philips
Cores: I.L.L

Por conta de mudanças (leiam-se baixas vendas) editoriais na Panini, a partir da edição 68, a revista do Lanterna Verde deixa o Mix da Liga da Justiça e passará a integrar um novo mix. Na edição 70, As revistas do Flash e da Sociedade da Justiça voltaram ao mix da LJA, de onde nunca deveriam ter saído, diga-se de passagem, além da revista da Mulher-Maravilha sair do Mix de Batman&Superman e passar a integrar também o mix de LJA.

Por conta disso, nessa edição 68, nada mais nada menos que TRÊS revistas da JLA Classified entraram no mix da Liga da Justiça esse mês! Olha, não sei nem se terei paciência de ler três capítulos seguidos de JLA Classified, quanto mais resenhá-los! Fico devendo essa pra vocês.

Tirinhas politicamente corretas (e engraçadas) do Calvin e Haroldo

calvin a haroldoPara ver mais tirinhas do Calvin e Haroldo acesse o blog Fotos da Natureza.

By the Way, literalmente

Esse post não tem nada a ver com quadrinhos, but the question is, who cares?

Encontrei no blog Spoof-landia esse spoof feito para a música "by the way" dos Red Hot Chili Peppers, com bonecos e cenários de LEGO!

Ficou muito bom, vale a pena assistir! E quem gostar vai encontrar por lá também outro spoof pra uma música dos Red Hot, "Cant Stop".

Michael Phelps pode interpretar Aquaman no filme da Liga da Justiça!

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

aquaphelps
Imagem pega "emprestada" do site Herói

Com os recordes e mais recordes quebrados por Michaels Phelps nessas olímpiadas da China, já há rumores de que a Warner/DC planeja contratar o nadador americano pra interpretar o herói Aquaman num cada vez mais remoto, mas ainda possível, filme da Liga da Justiça.

Se bem que em vez de Aquaman poderia mudar o nome do personagem pra Aquaphelps!

Homem de Ferro manda o Batman ir se feder!

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

tropic thunder
Tô me sentindo repórter de jornal sensacionalista com esse título! Bem amiguinho, a parada resumida é assim: O ator Robert Downey Jr., numa daquelas entrevistas inúteis pra promoção de filmes, no caso dele o novo filme com o Jack Black e Ben Stiller, Trovão Tropical, Downey disse que não entendeu "Batman - O Cavaleiro das Trevas", que não gosta de filmes inteligentes de Super-Heróis (então ele ta no lugar certo mesmo) e mandou a DC ir se foder! Sério mesmo!

"O caso é que eu assisti a The Dark Knight e fiquei me achando meio burro, porque não entendo essas coisas que são inteligentes demais. É como o motor Ferrari da arte da narrativa, e isso não é minha idéia do que esperar de um filme"

Na minha humilde opinião, isso não passou de um golpe de marketing (ou um belo de uma puxa-saquice pro lado da Marvel). A troco de que ele ia dizer de bobeira que é burro e mandar a DC se foder?

Leia na íntegra no Melhores do Mundo ou a versão café-com-leite do Omelete, onde não mostram os palavrões!

***

Leia aqui outras notícias sobre cinema

Liga da Justiça 67

jla 67
JLA #9

A saga do Relâmpago

Capítulo 3

Roteiro: Brad Meltzer
Desenhos: Ed Benes
Cores: Alex Sinclair

LJA e SJA continuam procurando pelos membros da Legião dos Super-Heróis. Após encontrarem todos eles, a Legião faz uma reunião secreta e conseguem relembrar o porque viajaram no tempo, e coisa boa não é...

Elogiar novamente o trabalho de Meltzer à frente da LJA é desnecessário. É incrível como ele consegue explorar bem os personagens secundários da Liga da Justiça. Não sei como outros roteiristas fizeram, mas duvido que alguém tenha conseguido deixar personagens como Vixen e Arqueiro Vermelho (também conhecido como Arsenal, Ricardito, Roy, ou simplesmente o filho do Arqueiro Verde) tão interessantes.

Mas uma coisa me incomoda na arte da revista, e me desculpem caso já tenha falado sobre isso em reviews anteriores. Ed Benes é muito competente, gosto muito do traço dele e é um dos melhores senão o melhor das revistas mensais da DC atualmente. Porém chega a incomodar o exagero que ele comete em deixar os personagens masculinos extremamente "bombados" e as personagens femininas incrivelmente gostosas. Duvido que alguma delas use um sutiã que não seja um número 50. Todas tem cintura fina e peitos extra large.

Benes poderia tranquilamente desenhar um hentai de altíssimo nível (se é que isso é possível). Tudo bem que super-heróis são fortes e bla, bla, bla, mas poderia tentar dar um pouco mais de verossimilhança, principalmente nas mulheres, que tem o traço praticamente igual.

O roteiro dessa edição deu uma embolada no meio de campo. Muita informação, personagem demais aparecendo, referências a estórias passadas da Liga. Mas nem por isso é uma edição ruim, pelo contrário, a expectativa pela próxima edição só aumenta!

Agora é comprar (ou ler através de meios alternativos) a edição #06 de SJA para ler a quarta parte do arco, e depois ler o desfecho em LJA 68.

Nota 8,5

***

green lantern 20
Green Lantern #20

O mistério da Safira estrela, parte 3

Roteiro: Geoff Johns
Arte e Cores: Daniel Acuña

Contos da Tropa Sinestro

Medo Interior

Roteiro: Geoff Johns
Arte: Dave Gibbons
Cores: Moose Baumann

Final do arco "O mistério da Safira estrela". Ótimo final pro arco. Geoff Jhons mantém o bom trabalho que faz à frente da revista do Lanterna Verde, fazendo uma boa mistura de ação, humor e preparando terreno pra próxima grande aventura do universo dos lanternas verdes. A cada edição a expectativa aumenta, ainda mais com o complemento excelente de "Contos da Tropa Sinestro", também escrito por ele.

Como era de se esperar, no final desse arco Hal consegue se livrar das Zamaronas, com muito estilo e criatividade diga-se de passagem, e salva a Vaqueira e Carol, e logo após se livrar das alienígenas, levas as duas pra tomar uns drinks. Muito a cara de Hal Jordan!

Há de se falar da arte de Daniel Acuña. Como comentei nos reviews anteriores, a arte dele alternava altos e baixos no decorrer da revista, mas nesse final de arco foi indiscutivelmente muito mais altos que baixos. O estilo peculiar de Acuña deu um brilho extra (o trocadilho fica a seu critério) a HQ, e espero siceramente que ele continue fazendo essa dupla maravilhosa com o Johns nos próximos arcos. A arte de Gibbons e Baumann para "Contos..." também está ótima, bem acima da média das revistas da DC, mas fica um pouco ofuscada pela ótima arte de Acuña.

Nota 8,5

***

jla classified 41
JLA Classified #41

Kid Amazo, Conclusão - Crepúsculo dos Deuses

Roteiro: Peter Milligan
Arte: Carlos D´Anda
Cores: I.L.L

Um bom desfecho pra uma das melhores estórias da JLA Classified até aqui. Muito bom a idéia do roteirista Peter Millingan de colocar o pertubado vilão Kid Amazo conversando com uma estátua de Nietzsche e citando Sócrates, além de parodiar/homenagear/copiar uma tragédia grega, que revela a natureza da relação entre Kid Amazo e sua namorada.

O desfecho se da com a Liga tendo que derrotar o Kid Amazo. Mas como Amazo é uma réplica perfeita de todas as personalidades e poderes da Liga, não vai ser no braço que eles vão conseguir derrotá-lo. E isso é interessante.

O roteirista lança mão dos conflitos dos membros da LJA, das coisas não ditas e acumuladas durante anos de liga (muito a ver com as últimas sagas como crise de identidade e crise infinita), para fazer com que a liga consiga derrotar um robô que parecia indestrutível, atacando no seu ponto fraco: Ele é um robô que carrega consigo várias personalidades que não são dele, e por isso não consegue administrar os conflitos que surgem, e aí ele literalmente frita e explode. Bacana. Um final um pouco tosco, mas ainda assim bacana.

Nota 7,5

***

jla classified 42
JLA Classified #42

Fantasmas de Marte, parte 1

Roteiro: Justin Gray
Arte: Rick Leonard & Sean Philips
Cores: I.L.L

Juro que quando comecei a ler achei que esse número de JLA Classified era na verdade a revista solo do Ajax, Caçador de Marte, J'onn J'ones (a você entendeu né?).

Nela há a primeira parte do arco que conta (ou seria re-conta?) as origens do Caçador de Marte, de como ele chegou na Terra e como ele entrou pra Liga da Justiça.

Não sei se as origens do Ajax já foram contadas nas HQ´s (provavelmente foram) mas o que eu sei é que eu vi, e muita gente deve ter visto, as origens dele contadas no desenho animado da Liga da Justiça.

A diferença pra outras versões da chegada dele na terra, creio eu, está na presença de uma espécie de Xamã Marciano chamado Ma'alefa'ak (malditos nomes marcianos!) que parece querer jogar J'onn contra os humanos e contra a liga da justiça também.

Comparando com as edições anteriores de JLA Classified o roteiro está muito bom e a arte está ok. O ponto negativo fica com a caracterização do Lex Luthor. Ele nem sequer parece aquele gênio do mal que é o maior inimigo do Super-Homem não pela sua força física ou poderes, mas pela sua inteligência. Aqui ele parece mais um cientista louco e rico que quer aparecer pra mídia e pro governo. Vai entender...

Nota 7,0

***

Veja aqui o review de Liga da Justiça 66

Zé do Caixão e Teoria Mirabolante

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

zé do caixão
De acordo com o blogueiro do Blogando e Andando, sexta feira é o dia na blogosfera brasileira de troca de links.

A troca de links é a maneira mais fácil de divulgar blogs e de se fazer um post sem ter que torrar muito a cabeça pensando no que se vai escrever!

Encontrei dois posts interessantes no MdM essa semana. Um com uma teoria sobre como o Pato Donald inspirou o seu Madruga. Muito boa essa, vale a pena ler! O segundo post é sobre o Zé do Caixão, que está lançando seu novo filme nos melhores cinemas do país esse mês de agosto, "A encarnação do Demônio".

O outro post que eu recomendo essa semana vem do blog Espinhaço da Jumenta. Entenda a logomarca de Pequim 2008!

Bom final de semana e segunda estarei de volta!

---

Veja outros posts relacionados a cinema

Zumbis Marvel no cinema!

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Fujam para as montanhas!

Calma minha gente, a Marvel não lançou (pelo menos não ainda...) um filme com seus super-heróis transformados em zumbis nos cinemas. Trata-se de um curta metragem produzidos por fãs, aos moldes do que já foi feito com o Batman: Dead End

A qualidade está excelente para um filme amador, pena que é curtinho. Nele aparecem Homem Aranha, Hulk, Mary Jane e Capitão América (após os créditos).

Imaginem se um dia, quem sabe depois do filme dos Vingadores, a Marvel resolver produzir um filme de verdade da HQ Zumbis Marvel, com George Romero como diretor! Eu dormiria na porta do cinema pra ser o primeiro a ver isso!



Fonte: Pipoca de Bits

---

Veja outros posts relacionados a Marvel

Mortal Kombat vs. Universo DC

terça-feira, 29 de julho de 2008

Um novo trailer do jogo que promete nem ser tão bom quanto Marvel vs Capcom e nem tão ruim quanto os últimos Mortal Kombat foi divulgado. A idéia de um jogo de luta 3-D com personagens do mortal kombat e da DC se porrando é bem legal, mas tem muito o que melhorar ainda.

Os gráficos estão bons, mas os personagens estão parecendo uns "bonecão do posto". A movimentação deles está muito dura e fica muita a dever expoentes dos jogos de luta 3-D como Tekken e Soul Calibur.

Hulk contra o mundo 3

segunda-feira, 28 de julho de 2008


Título: Hulk contra o mundo 03 (World War Hulk 02)

Autores: Grek Pak e John Romita Jr.

Preço: R$ 4,90

N° de páginas: 36

Formato: Minissérie mensal em seis edições, formato americano, 36 páginas, papel LWC, distribuição nacional.

Editora: Panini

Sinopse: Depois de derrotar o Homem de Ferro, Hulk continua sua busca por Vingança lutando contra os Vingadores e o Quarteto Fantástico

Review: Hulk ficou ausente durante todos os eventos da Guerra Civil, mas agora ele está tirando o atraso de forma muito competente na boa mini Hulk Contra o Mundo.

As comparações dessa nova mega-saga da Marvel com a anterior, a Guerra Civil, é inevitável. Assim como GC, HCOM ecoa por quase todas as revistas da editora. Lê-las até é bom, mas não chega a ser indispensável, a não ser que você seja um fã que precisa realmente saber tudo o que aconteceu durante HCOM. Aliás, você sabia que logo que o Hulk volta à Terra o Homem Formiga entrou em seu estômago e usou um lança-chamas para atacá-lo? XD

O enredo está bem emocionante e movimentado, fica aquela sensação boa de querer que a próxima edição chegue logo às bancas para poder continuar lendo! A cada herói que o Hulk derrota fica aquela dúvida do tipo, 'caramba, como os roteiristas vão resolver essa parada'? Assim como em GC, as ações dos heróis da Marvel são postos em cheque. Será que o que fizeram Reed Richards, Tony Stark, Strange e Raio Negro foi certo, ao mandar Hulk pra fora do planeta? Será que foram eles mesmo que explodiram a nave de Hulk, destruindo toda Saakar? Quem é realmente amigo de Hulk e quem está apenas com medo da fúria do Golias Esmeralda?

A arte de revista não é nem de longe tão boa quanto a ótima arte de Guerra Civil, mas não chega a comprometer, mas bem que a arte de uma mini tão importante como esta poderia ser bem melhor. Aliás, boa parte das revistas publicadas hoje em dia poderia ter uma arte melhor...

O maior defeito dessa edição foi o final da Luta contra Stark. Acaba de forma abrupta, de modo que você se pergunta, 'aonda está a página que eu pulei', já que no final de HCOM 2 a luta está no seu auge. Deve estar perdida em algum dos inúmeros tie-ins de Hulk Contra o Mundo.

Nota 9,0

---

Acesse o arquivo de Reviews!

Batman VS O Justiceiro

sexta-feira, 25 de julho de 2008

batman justiceiro
Já imaginaram um cross-over entre o Justiceiro e Batman?

O morcego é mais inteligente e sabe lutar melhor, mas não usa armas de fogo e nem mata. Já Frank Castle não tem medo de usar armas e nem de matar (seria Frank Castle uma versão americana do Capitão Nascimento?) quando precisa.

E aí, quem você acha que ganha essa contenda?

Vote na enquete! Seu voto é secreto e não será revelado pra ninguém (mas nada o impede de usar os comentários pra discutir e xingar aqueles que não tem a mesma opinião que a sua!) XD

 
Templates para novo blogger